Web Radio Sertao De Deus


8 de abril de 2009

Entrevista com Satã - Parte 6








Trevas - 401 Entrevista com Satã (6)

SÉTIMO ENCONTRO

"É só questão de tempo!…"

Esta imprevista e terminante afirmação interrompeu minha leitura de um livro que estava me interessando muito. Um grito de pavor conteve minha respiração. Mas minha Protetora veio imediatamente em minha ajuda e me pôs tranqüilo à escuta. Desta vez o maligno se pôs a falar-me com uma solenidade insólita, quase declamatória: revelou-se como o costumeiro fanfarrão.

“É questão só de tempo! O processo de destruição da Igreja já está a caminho, uma destruição radical e imparável. Meus planos se cumprirão com uma precisão e uma pontualidade que lhes deixarão assombrados. Logo esta velha e apodrecida carcaça seguirá a sorte de tantas outras instituições que resistiram um certo tempo e depois desapareceram... "

“Mas não vê, bufão, que sempre volta com a mesma canção? Falta-lhe sempre toda originalidade e imaginação, inclusive para organizar o mal e assim em vão tenta dar-me medo."

"Por que não me deixa continuar?"

Porque você é tremendamente chato. Parece-me um comediante que na praça repete sempre as mesmas palhaçadas. Convença-se de que, com sua insistência na ameaça de destruir à Igreja, não só não me impressiona, sim que inclusive me faz rir. A Igreja, ainda que esteja constituída por homens que têm suas misérias, é instituição de Cristo, pertence a Ele e só Ele a governa em seus acontecimentos. Em seus desígnios misteriosos Deus faz com que a Igreja obtenha vantagens inclusive das perseguições e das heresias. No passado, graças ao surgimento de erros heréticos, muitos pontos da doutrina Católica foram aprofundados e precisados. Por isto a Igreja olha com serenidade também aos teólogos contestadores e confusos que hoje abundam. Com relação a certos problemas ainda não amadurecidos, estes teólogos podem ter uma indisciplinada sensibilidade, mas isto inclusive pode ser estímulo para estudar algumas questões propostas por eles mais atentamente e descobrir no fundo os elementos de verdade e de claridade úteis para o crescimento de seu depósito doutrinal.”

"E você não está repetindo as mesmas declamações?"

"Faz mais de meio século que está combatendo contra Deus para fazer-Lhe desaparecer da Rússia, conseguiu? Sei, fez um mal imenso àquelas almas, mas a necessidade de Deus não alcançou arrancá-la ainda de milhões delas. Prometeu àquele povo um paraíso na terra e o fez tão encantador e desejável que muitos fogem dele enquanto podem.”

* * *
“Corre demais e em suas loucuras lhe atarão as mãos."

Hoje lhe quero dizer algo novo. Algo do que talvez não se tenha dado conta. Hoje se uniu decisivamente a nós a Mãe de Deus, a Mãe da Igreja, da qual somente o nome – você não quer nem ouvi-lo, por isso lhe repito - lhe faz tremer. Ela que deu a primeira vez ao mundo a Jesus, está agora trabalhando silenciosamente para colocá-Lo de novo nas almas que se afastaram dEle, quer servir-Se de nós os sacerdotes: um grupo escolhido de fidelíssimos, preparados para imolar-se por Sua causa. Está recolhendo-os de todas as partes do mundo, sem nenhum aparelho organizado, é Ela mesma quem os chama docemente a recrutar-se em Seu Movimento Sacerdotal.

Chama-os Seus prediletos. Esta Mãe os está trabalhando com coração de Mestra, para treiná-los na oração, no amor a Jesus Eucarístico, na fidelidade total ao Papa.”

"Ela nos advertiu de uma grande tribulação que está chegando, que logo você nos dará grande batalha. Na luta, você se enfrentará com um grupo de sacerdotes assistidos e sustentados por Ela. Contra tantos que se deixaram seduzir por suas artimanhas e que você afastou dEla, Maria oporá seus sacerdotes, revesti-los-á de Sua potência. Fa-los-á intrépidos na hora da grande purificação. A eles confia a tarefa de defender a honra e a causa de Jesus e de sua Igreja; serão os que acompanharão ao Santo Padre no caminho do Calvário para vê-lo vencer por meio da Cruz. Esta segurança nos vem dEla e nós a vivemos com alegria."

“Compreendo, tudo sobre a falsa linha das cenas absurdas de Fátima!...”

“Precisamente, aqui em Fátima, quando nossa Mãe bendita preanunciou momentos terríveis para o Papa, prometeu-lhe ainda Sua proteção especial. Ela o defenderá por meio de seus sacerdotes, homens forjados na oração e muito amantes de Seu Rosário: a arma que lhe cheira tão mal e lhe dá tanto medo. Tem um terror invencível a todo sacerdote que ora. Continuamente o experimenta, por isso recorre a todas as suas artimanhas para distraí-lo na oração. Agora Maria está preparando não só a um, sim a um exército de sacerdotes que oram, e que são amantes do Rosário.”

“Esta Mãe Divina não nos engana. Advertiu-nos muito bem que a hora da prova virá e que será dura. Mas nos assegura que no momento em que você creia ser o senhor do mundo e se sinta seguro vencedor, Ela mesma intervirá para arrebatar-lhe da mão a presa. Você será destronado e, ao final, a vitória só será de Jesus. Jesus quer obtê-la assim para sua maior humilhação, por meio de uma mulher. E a vitória dEla será o triunfo do Coração Imaculado nos países sem Deus e em todo o resto do mundo.”

* * *

“Que rápido você é para desdramatizar! Espera que lance contra vocês os meus homens transformados em verdadeiros endemoniados. Estou preparando-os e treinando para o ataque, que será logo, imprevisto e inenarrável.”

"Nós nos armaremos de nossa fé e estaremos à espera… Deus não nos deixará sozinhos. Contaremos com a proteção de Sua Mãe."

“Obtive já (de Deus) de fazer-lhes trabalhar descobertos. Não crerão que são manipulados por mim. Hoje já ninguém crê em minha presença no mundo. Experimente falar de minha ação no meio de vocês. Chamá-lo-ão de ridículo.”

“Sim, nisto você é muito hábil. Mas não todos se deixaram apanhar por suas artimanhas. Existe quem crê e adverte este seu nefasto trabalho no meio do povo de Deus. Temos ainda a oração da Igreja contra você, e recorremos a ela!"

"Crê que os meus se deterão ante quatro cães que latem?"

“São sacerdotes de Cristo, não cães! Você sabe: Quem durante sua vida terrena, lhe expulsou de tantos pobres homens possuídos, continua expulsando-lhe por meio de seus sacerdotes. As derrotas que vai conseguindo você as conhece muito bem. Conhecemos a raiva que lhe assalta quando um sacerdote lhe varre e lhe ordena abandonar as criaturas que você destruiu para satisfazer seu instinto maléfico. É um poder comunicado por Cristo a seus ministros, incluindo o mandato de exercitá-lo: “Em meu Nome expulsareis demônios”. E nós os sacerdotes o fazemos. Nestes choques entre seu poder e o da Igreja a nós comunicado, o balanço para você é absolutamente um fracasso. É uma experiência que lhe esmaga."

“Retórica!... Retórica!... Não vê como todo o horizonte se escurece? Espera ainda um pouco e verá como eu desencadeio um furacão... Todos tremerão como pobres folhas, e todas serão arrancadas da árvore.”

“Vejo que conhece muito bem, a força do medo, a potência do terror no dobrar os homens aos seus desejos. A escravidão impiedosa com que domina regiões destruídas é invenção de seu gênio maléfico. Deus nos conquista com o amor e nos impõe um fardo leve, você tem aos seus sujeitos com punho de aço e com o assombro. Para que não se lhe escapem, recorre às cárceres de ferros. Não opera assim nosso Deus! O terror é a força de seu governo, que é governo de opressão e de ódio: Você mesmo o disse! Nós não temos nenhum motivo para temer seus argumentos catastróficos de fim do mundo..."

"Está muito seguro de si mesmo; mas verá!”

“Podemos temer tudo de nossa debilidade! Mas é precisamente esta debilidade a que nos faz recorrer a Quem é nossa força! Nós sabemos que no céu há um Pai Onipotente que nos ama: e é a revelação mais terna e exultante de Jesus. Com a fé neste amor nós desafiamos todos os pessimismos que pode inspirar-nos a visão de um mundo tão horrivelmente descomposto por você. Desafiamos todos os medos que tenta insinuar-nos com suas ameaças para desabar nossa resistência para o mal. Espírito mesquinho e malvado, Deus está conosco! Enquanto que você é um maldito de Deus. Nós temos fé no amor, é esta fé a que lhe faz tremer, por isso recorre a todas as suas artimanhas para arrancá-la às almas. Para vencê-las tem necessidade de desarmá-las."

"Quando veja meus milagres terroríficos...!”

“Você não pode fazer nada mais que simulações de milagres. Os verdadeiros são o selo exclusivo de Deus. Contra Ele, que é o Autor da vida, você organizou hecatombes de mortes; se compráz fazendo milhões de vítimas com as guerras atômicas, com as execuções em massa realizadas pelos policiais de estado, com os abortos que levam a uma escala ascendente que supera todos os extermínios registrados na história. Mas esquece que a morte foi vencida pelo Autor da vida. Ao final dos tempos se fará o balanço entre os ganhos feitos por Deus e suas perdas.”

Aqui o maligno se enfureceu. Veio-me à mente a oração do exorcismo já usada, privadamente, outras vezes com êxito para liberar as almas horrivelmente vexadas pelo maligno. É uma oração para meu uso privado, mas que sempre experimentei como eficaz.

É esta: Senhor Jesus, durante Sua vida mortal, sempre teve uma imensa piedade pelas almas possuídas e atormentadas por Satanás, e jamais deixou de livrá-las com o poder de suas palavras. Deu este mesmo poder a seus discípulos e ordenou que o exercitassem, dizendo-lhes: “Em meu Nome expulsareis demônios”. Armados por este Divino mandato, confiando na potência de Seu Nome e na intercessão de Maria, vencedora do inimigo infernal:

Eu lhe digo, Espírito imundo, que deixe em paz a esta criatura de Deus: portanto, lhe exorcizo em nome do Pai + que a criou e do Filho + que a redimiu e + do Espírito Santo + que a santificou. Exorcizo-lhe em nome da Bendita Virgem Maria + que a pôs sob sua proteção; em nome de São Miguel Arcanjo + triunfador de todos os Espíritos rebeldes, e em nome de todos os Santos e Santas + que esta alma invoca com confiança.

Ordeno-lhe, Espírito maldito, não eu pobre pecador, sim como sacerdote de Cristo; não por virtude minha, sim pela de Jesus vencedor de todos os inimigos infernais, não com meu poder, sim com o que me foi dado pela Igreja; ordeno-lhe sair desta criatura de Deus e ir-se ao inferno, preparado para você e para seus seguidores, em nome do Pai + e do Filho + e do Espírito Santo +. Amém.

Ao finalizar esta oração esperei que o Maligno desse algum sinal de reação mas não se fez ouvir mais. Pareceu-me sair de um sonho atormentado. Estava banhado em suor, e a alma recobrou logo docemente a serenidade.

OITAVO ENCONTRO

Apenas havia dormido um pouco na sesta quando o quarto foi inundado de um fedor que me fez conter a respiração. Olhei ao meu redor: a porta e as janelas estavam fechadas. Era um ar fétido que se movia como agitado por um ventilador. Que ocorre? Logo me dei conta de que isto significava uma nova visita do Maligno e invoquei a assistência dEla.

"Será acaso seu cartão de visita?”

“Sim!”

“Não sabia que um espírito puro se anunciasse com tanto fedor."

“Apenas soprei sobre o fedor de suas miseráveis carniças."

"Penso pelo contrário que seja a exalação de sua essência de pecado.”

"Não disse você mesmo que um espírito não pode cheirar mal?"

"Não é bem assim mas basta: em nome de sua grande inimiga, que quer?”

"Interrogue-me."

Recolhi-me um instante em mim mesmo:

“Fale-me das artimanhas que utiliza para seduzir as almas."

“Tem necessidade de que lhe revele eu? Você é mestre em Israel.”

"Mas prefiro que me fale você disto, mestre da sedução.”

* * *

Parecia que não se decidia a responder: mas advertia que estava ali.

“Vamos, imponho-lhe que me responda!"

"Não se necessita de muita habilidade para apanhar no laço vocês, miseráveis. São tão estúpidos e tão frágeis que dá vergonha a quem lhes moldou. Normalmente, postos diante do que Ele os proíbe, basta um pequeno empurrão.”

Isto pode ocorrer com almas desprevenidas, que não têm suficiente temor de Deus, que não recorrem aos meios para vencer suas tentações, sobretudo se não oram e se não têm contato com o Senhor... Mas as outras?

“Estas são iguais; necessita-se só um pouco mais de tempo e de paciência. Basta conhecer os gostos, as tendências, os inumeráveis ganchos que todos levam consigo e com os quais se apegam: a luxúria, a ira, a ambição, a inveja, o orgulho, a sede de dinheiro, de bens terrenos, a maledicência... Se soubessem os serviços que nos faz uma língua maléfica semeadora de discórdias... Às almas que mostram maior resistência não me aproximo jamais delas com um assalto frontal. Conquisto-as com manobras e dou voltas ao redor, ou escavando o terreno sob seus pés, provocando as paixões até cansá-las, e levando-as também ao desespero. Persuadindo-as pouco a pouco de que certos mandamentos são impossíveis: que seu amo é um tirano; que tal coisa não pode ser pecado...”

"É a artimanha que hoje está utilizando mais, demolir o sentido do pecado...”

"Também aqui meus melhores colaboradores são os sacerdotes... Se soubesse quanto me custou cansá-los de estar naquelas casinhas para escutar cantilenas!... Assim finalmente consegui que se pregue que a confissão não é necessária, consegui despovoar os confessionários e enviar um montão de gente, que é minha, a fazer grandes comilanças de comunhões. Se soubesse a quantas prostitutas, a quantos comilões e profanadores, ladrões e violentos lhes mando recebê-la.”

"Estou convencido de que generaliza demais e que contra tantos que caem nesta armadilha, há tantos que fogem de você, especialmente se são almas que oram e se esforçam por viver em Graça".

Uma pausa muito longa: “Não é verdade que a arma da oração lhe dá medo e que em seus assaltos lhe faz retirar-se envergonhado?"

"Devo admiti-lo: mas contra aqueles que usam a oração não os ataco jamais de frente. Busco pouco a pouco e de todas as maneiras possíveis, incomodar sua oração, distraí-los com mil bobagens, levá-los lentamente à náusea. Enquanto isso eu intensifico contra eles minhas tentações. Ainda procuro convencê-las que Ele não as escuta, que é inútil a oração, porque ainda não perdoou certos pecados, passados, porque se abusou demais de sua Misericórdia...“

“A velha armadilha: primeiro faz cair às almas no pecado, persuadindo-as de que não é pecado, e que Deus perdoa tudo; depois de tê-las feito cair, devolve-lhes a vergonha para não se confessar pelo que fizeram, faz reviver o sentido do pecado e o aumenta até fazer crer que para elas não há perdão. Primeiro a presunção, depois o desespero: duas vias ótimas para prejudicar as almas."

“É um truque que funciona...”

“Entretanto, a Misericórdia de Deus é infinitamente maior que suas artimanhas e que suas conquistas momentâneas. As almas lhe custaram o sangue de Seu Filho e conhece infinitos caminhos para direcioná-las ao seu domínio!"

* * *

"Há que ver quanto exagera pensando nisso da Misericórdia.”

Neste momento foi eu quem dei uma pausa de tempo.

"Esta é uma de suas insinuações mais diabólicas e a mais mentirosa. Sabe que Deus nos ama infinitamente, que uma só gota do sangue de Jesus basta para lavar todos os pecados do mundo, que nós podemos pecar por falta de confiança em Sua Misericórdia, mas jamais por ter acreditado em sua indulgentíssima bondade. Para você não houve nem haverá jamais perdão; para nós sempre; basta que não O rejeitemos tenazmente, conscientemente, até o último instante. Ele, antes de deixar uma alma em suas mãos, usa todos os recursos de Seu Amor, que são infinitos. Tudo isto você sabe, experimenta em todo momento e a Onipotência deste amor gratuito e redentor que Ele tem por nós é o inferno de seu inferno!"

“Você é o advogado de uma causa muito mal apresentada. Você diz que Ele é Onisciente, olha aonde chega sua perfídia, sua cínica crueldade... sabe que muitos de vocês serão meus, prevê-lo, entretanto os cria. Por que os cria? Para quem? Para mim!"

“Eis aqui outra artimanha com a que busca enganar as almas. Basta-me crer firmemente no Amor para rejeitar estas insinuações. Deus nos criou por Amor. Nosso destino é o de Viver o Amor em Deus ocupando os postos dos quais você e os seus foram expulsos. Para isso nos redimiu e nos oferece todos os meios para alcançar sua redenção. Entretanto, Deus respeita sempre nossa liberdade, por isso não coage ninguém para que aceite sua salvação... Mas em suas mãos dispõe, com Sua Bondade, inimagináveis caminhos para induzir também as almas rebeldes à dócil aceitação de Sua Graça."

"Agora é você quem está filosofando.”

"Deixe-me dizer: o dom da liberdade confere ao homem um valor e uma dignidade invioláveis, tanto é, que se algum abusasse deles... Deus quis antes correr o risco de deixá-lo livre e ainda que voluntariamente quiser se perder, Ele nunca o privaria de sua liberdade. É o homem que não quer dar a Deus seu amor, não é que seja Deus que não queira Amar ao homem, como você quer apresentar. Deus é puro Amor em todos Seus atos, senão, não seria Deus”.

* * *
“Você não quer responder a minha objeção!...”

“É você quem não quer compreender! A liberdade, a Misericórdia, o sofrimento, especialmente a morte de Seu Filho, a comunhão dos Santos, Sua Glória eterna são tais bens que justificam por si mesmos o permitir a possibilidade da perda voluntária e obstinada de alguns malvados que livremente decidam meter-se e colocar-se em seu bando.”

“Você delira e não me deixa falar… Você disse que Ele preferiu correr o risco da perda...“

"Sim, disse-o. Mas Ele fez tudo o que era possível para atenuar, para afastar este risco. Ele podia, é verdade, recorrer a Sua Onipotência, eliminando também o argumento de tal risco. Mas Deus não se comporta como seus tiranos, que quando não podem dobrar uma vontade, matam-na. Ele não é o Deus de mortos, sim de Vivos. Ele não quis privar aos obstinados de sua liberdade de escolha. Teve para eles um respeito infinito. Mas, repito, para impedir a trágica possibilidade de sua ruína, fez tudo o que Divinamente era possível."

"Você se comporta em seus delírios como um velho escolástico...”

“Aceito! Desde o momento em que Deus nos amou a ponto de dar-nos o Sangue e a Vida de Seu Filho, não há objeção alguma possível contra a imensidade e a universalidade de Seu Amor. É verdade que ao mesmo tempo em que nos concedia tão grande dom, via aqueles que haviam recusado Sua salvação. E, entretanto, os criou igualmente; operou em Sua Onipotência atuando a Criação, conhecendo aquela parte dos que, apesar de Seu Amor, o rejeitariam obstinada e voluntariamente. Mistério adorável! Contudo, basta-lhe saber, mistério de iniqüidade, que se não houvesse vertido sobre a humanidade a catarata do mal e do pecado, nós os homens não teríamos podido ser capazes de conhecer até que ponto nos ama Deus. A Igreja - repito – paradoxalmente nos faz cantar: "Ó feliz culpa a de Adão!"

“E ainda assim ganharei a maior parte das criaturas tão amorosamente redimidas por Ele.”

“A maior parte? Mente! O sangue de Cristo tem tal eficácia Salvífica que você não pode nem poderá lançar desafio semelhante ao Amor de Deus. Este sangue foi derramado sobre todos os filhos de Adão, sem exceção alguma. Ele tem o poder de chegar, por caminhos misteriosos, a todas as almas criadas. Deus - repito - lhe deixa só àqueles que voluntariamente escolheram estar com você. É para seu maior castigo. Porque sua companhia não atenua, sim que aumenta imensamente o peso de sua condena. Para toda a eternidade!"

Desde então meu interlocutor - durante bastante tempo - não deu sinal de vida.

Segue-se o o texto, no momento oportuno.









www.recados.aarao.nom.br

Nenhum comentário: