Web Radio Sertao De Deus


2 de abril de 2009

GRITOS DAS TREVAS (Parte 1)


GRITOS DAS TREVAS (1)

(02/06/2003)

Nesta seqüência de quinze trabalhos, trago aos leitores, em tópicos, o resumo de um livro muito especial para mim. Se eu disser aos leitores, que aprendi mais com este livro, do que com a maioria de todos os outros que já li na vida, o leitor poderá ficar chocado, quando souber do que se trata. Avisos do Além é um livro relatando sete exorcismos realizados por uma equipe de sacerdotes, com a autorização da Igreja, respeitadas as normas e as fórmulas consagradas. Como o livro é muito difícil até de ser encontrado, porque o inferno faz de tudo para que as pessoas não tomem conhecimento dele, resolvemos trazê-lo a público, até porque não se encontra restrição à sua divulgação nele impresso. Ademais, como faremos apenas colagens, manteremos o original, apenas resumido.



Entre os motivos que nos levam a publicar estes textos, alguns poderemos destacar. O primeiro deles é trazer ao público não somente o grito das trevas em sim, mas um grito contra as trevas, que rapidamente espalham no mundo suas heresias. Assim, as pessoas de boa fé poderão estar preparadas, para o terrível momento em que trevas completas caírem sobre este mundo mau que criamos. O segundo motivo, é levar a todos aqueles incautos, em especial aos nossos irmãos separados, um aviso singular, para que não brinquem de exorcismo, porque seus atos servem apenas para brincar com os demônios. Eles não receberam este poder de Deus, porque não usam a estola – não receberam o Sacramento da Ordem. Ademais, aqui na terra, é em geral, somente diante do Santíssimo Sacramento, da Eucaristia, é que os demônios capitulam. E isso eles não têm! O resto é blefe!

O exorcismo é algo de muito sério, e somente aos padres ordenados, munidos de estola, fonte de poder por força de Deus, ou a aqueles aos quais Deus der este poder – e disso estão fora todos os pastores – é que efetivamente podem expulsar aos demônios em definitivo. E isso a custa de muita oração, e somente – porque Deus quer assim – pela invocação da Virgem Maria, o terror dos demônios. Por isso, todos os evangélicos estão fora disso, seus exorcismos são embustes. Jamais aconteceu um verdadeiro exorcismo entre eles, e quando toparam com um caso realmente verídico, sério, ele sempre isso acabou parando nas mãos de um sacerdote católico.

Para se ter uma idéia, um padre exorcista revelou que, dos 400 casos que lhe foram apresentados, apenas 10 eram verdadeiros. Os outros eram apenas ilusão de pessoas, manipuladas pelo maligno, mas não possessas. São estes que os evangélicos usam, a fim de iludir aos incautos, querendo fazer crer que têm poder. Por fim, serve para que ninguém tente, nem mesmo os católicos que se acham preparados, enfrentar as trevas sozinho, num exorcismo, sem uma proteção especial, sem uma autorização da Igreja, e sem a presença de um sacerdote exorcista. O demônio facilmente os derrotará a todos, sem exceção!

Nesta primeira parte, apresentamos os preparativos, exatamente como está nos originais, para que as pessoas se cientifiquem de que se trata de coisa muito séria, que foi tratada pelos sacerdotes exorcistas, com extremo cuidado. O que aconteceu de extraordinário neste caso, foi que, ao serem expulsos os quatro espíritos maus, em sete sessões, eles foram obrigados por Nossa Senhora a falar a verdade sobre tudo que acontece, especialmente na Igreja, fazendo revelações que estarrecerão ao leitor. O fato, essencial hoje, é que passados 28 anos daqueles trabalhos tudo está acontecendo milimetricamente conforme as revelações previram, de modo que, NEGAR tal evidência, é atirar na cabeça da própria estupidez. Estas manobras, o leitor perceberá, procedem dos adversários de Deus, encastelados dentro da própria Igreja. Eles combatem tenazmente a todos os que lutam contra o diabo.

Sabemos que certos setores da Igreja são tremendamente contrários à esta revelação, em especial aqueles que são atingidos diretamente pelas farpas que os demônios lançam, ao revelarem suas más atitudes, mas isso não nos assusta. Também aqueles que trabalham para satanás, não querem que isso venha a público, por isso a grande dificuldade de encontrar o livro, pois nenhum editor se anima a imprimi-lo. Importa então esclarecer. Importa alertar contra o inferno, e isso o faremos até quando força tivermos. Outras explicações daremos no início de cada texto. Peço aos leitores paciência, até que consigamos colocar todos os textos no ar, porque também aqui o amaldiçoado trabalha contra. Vamos ao livro!

(Nota: As nossas colocações ficarão sempre neste tipo de letra: Times New Roman

DEPOSITO LEGAL Nº 12425/88
DIFUSÃO CATÓLICA
CONFISSÕES DO INFERNO AO MUNDO CONTEMPORÂNEO
RELATO TEXTUAL DE SETE EXORCISMOS

GUARDA
1 9 8 7

A REALIDADE DO MALIGNO
(Nota à edição portuguesa)

Este livro que agora se publica, doze anos depois dos acontecimentos, é um grito de alarme aos suficientes que tudo explicam por causas naturais. Revela uma realidade hedionda, um mundo em permanente trabalho de destruição, que quer aprisionar as almas nas trevas e conseguir a sua condenação. Esses agentes do reino negro em expansão, falam do que estão a fazer, do que fizeram e do que planejam.
Tudo se passa no tempo do Papa Paulo VI, um homem de dores, e muito do que se diz refere-se àquela circunstância. No entanto, por cima disso, desfila um horizonte de destruição e negrura, uma aposta de demolição e uma raiva sem fim contra a humanidade e o Criador. O livro não perdeu atualidade: antes a ganhou, dado o sentimento do mundo que proclama abertamente a morte de Deus e do diabo. Na realidade, nem o Criador se apagou, nem a má criatura desapareceu: antes trabalha para a perdição da Igreja e dos homens, com uma inteligência e uma eficácia inquietantes.
Os documentos, no princípio e no fim desta obra, servem para mostrar que não se trata de uma história fabricada por alucinados na Suíça. É uma história real, verificável, inquietante, misteriosa, que nos lembra as terríveis palavras de Nossa Senhora de Fátima: «Vão muitas almas para o inferno, porque não têm quem reze por elas.» Esse sítio existe e desse poço infernal espalha-se um mal que invade as mentes, as instituições e a Terra. Leiamos com atenção e, como diz São Paulo referindo-se aos carismas, retenhamos o que é útil, o que é bom, o que é salvífico e nos pode ajudar na nossa vida de todos os dias.
Não nos fixemos nos pormenores, nas pequenas coisas; consideremos antes as grandes linhas e o sofrimento desta alma. Sofrimento real, terrível, medonho. Pensemos no nosso próprio sofrimento, tantas vezes exagerado para inglês ver. E se tivéssemos uma coisa assim? Elevemos o nosso espírito a Deus, numa oração profunda e verdadeira, peçamos por todos, invoquemos o Espírito Santo, e ... assim, com esta disposição, de entendimento aberto, comecemos a leitura.

Nota: Os textos destes Exorcismos, bem como os múltiplos comentários, foram publicados em alemão pela editora Martanisches Schriftanwerk (Trimbach-Suíça), a cargo do Dr. Buonaventur Meyer, e depois vertidos em francês e publicados pela Associação Tout Restaurer dans le Chrisi, dirigida pelo Dr. Jean Marty, já falecido. A edição portuguesa, mais simplificada e reduzida ao essencial, foi autorizada pela casa Editora Suíça. A ela e ao seu diretor os nossos agradecimentos

PREFÁCIO

A MINHA EXPERIÊNCIA

(Testemunho do editor Buonaventur Meyer)

A par do grande número de casos de possessão, que chegaram até nós pela Sagrada Escritura, são muitos os textos literários que através dos séculos dão testemunho de tais fatos. O holandês W. C. Van Dam, na sua obra modelar Demônios e Possessos (Pahloch Editora, 1970) cita mais de duzentos livros diferentes, que dão testemunho desta realidade.
No ano de 1947 tomei conhecimento de um caso de possessão e pude verificar como da mesma pessoa se emitiam vozes estranhas e como a aspersão com água benta provocava uma imediata reação de repulsa.
Em 1975 assisti a um exorcismo de sete pessoas possessas, numa Igreja em Itália. Presenciei as reações dos pobres possessos durante o exorcismo. Além disso, vi o seu comportamento durante a recepção dos Sacramentos, a sua oposição e, finalmente, a sua capitulação perante o Santíssimo Sacramento. As pessoas assim atormentadas tinham vindo, por sua livre vontade, para serem exorcizadas por um Padre piedoso, «porque procuravam um alívio, que ninguém mais lhes poderia dar», como elas próprias me confiaram.
Uma das possessas, que fora dos exorcismos se comporta como qualquer outra pessoa, mostrou-me cicatrizes nos seus braços, e explicou-me que durante 25 anos consultara médicos e professores de Medicina, mas ninguém tinha conseguido aliviá-la, a não ser aquele Padre, homem Santo, que na Igreja recitara um exorcismo. Esse Padre, homem piedoso e de alma fervorosa, proibiu-me de revelar o seu nome, dado que o Episcopado, por causa do ataque da imprensa atualmente generalizado em quase todo o mundo, não autoriza o Grande Exorcismo com que se expulsam os demônios e, além disso, impõe ao exorcista o maior silêncio para que nada seja tornado público.
Apesar da Bíblia referir cerca de 70 vezes o inferno e mais vezes ainda o demônio, encontramos na Igreja atual Bispos competentes, professores de Teologia tolerantes, que negam a existência pessoal do demônio, e com ela, a existência do inferno e também a existência de todo o mundo Angélico.


SOBRE A POSSESSA


A propósito da possessa que este livro refere, chegou-se há pouco, mais uma vez, à conclusão de que no caso desta mulher e mãe, se trata de uma alma reparadora, que desde os 14 anos é atormentada por pavorosos estados de angústias e períodos de insônia total. Foi tratada pelos métodos mais modernos da Medicina e da Psiquiatria durante as suas oito permanências em clínicas. Quando, depois do mais rigoroso tratamento, lhe deram alta, considerando-a como um caso inexplicável, um exorcista conhecido comprovou casualmente a possessão de um modo inequívoco. Após um exorcismo, que contou com a colaboração de vários Sacerdotes, realizado num lugar de Aparições da Virgem (Fontanelli – Montichiari, em Itália), tanto os demônios (anjos caídos) como almas danadas, (pessoas condenadas) foram obrigados, por ordem da Santíssima Virgem, a fazer importantes revelações dirigidas à Igreja atual.
Tendo convidado vários Bispos e representantes da Psiquiatria e Medicina para assistirem a um exorcismo, realizado em 26 de abril de 1978, dia da Festa de Nossa Senhora do Bom Conselho, estiveram em minha casa, para a realização do exorcismo, seis Sacerdotes e também o psiquiatra francês Dr. M. G. Mouret, diretor clínico do hospital psiquiátrico de Limoux (França) possuidor de grande experiência em tais fenômenos.
Depois do exorcismo de três horas, com muitas revelações saídas da boca da possessa antes e após o exorcismo, o Dr. Mouret deixou por escrito o seu testemunho, afirmando que no caso presente não se tratava nem de esquizofrenia, nem de histeria, mas sim do controle da pessoa por uma força exterior, que a Igreja Católica apelida – possessão.
Esta mulher, possessa e mãe de quatro filhos e é continuamente atormentada até ao limite das suas forças. Apesar disso, procura cumprir o melhor possível os seus deveres familiares. O fardo monstruoso, os tormentos causados pelos demônios que lhe perturbam o sono noturno, as continuas revelações feitas pelos espíritos, significam um martírio permanente. O seu único alívio vem daqueles Sacerdotes que, contrariando as tendências atuais, se compadecem do seu estado, lhe ministram os Sacramentos e recitam o Exorcismo.

* * *
Mas já em 25 de abril de 1977, por disposição da Divina Providencia, tinha visitado a possessa e assistido a um exorcismo, acompanhado pelo prelado Professor Dr. Georg Siegmund, de Fulda. Como docente, formara gerações de Sacerdotes e como também teólogo, filósofo e biólogo, publicara já um grande número de trabalhos científicos, de tal modo que o físico de renome mundial, o cristão evangélico Pascal Jordan, o qualificou como um dos filósofos e teólogos mais importantes da atualidade.
Sem tomar posição relativamente ao conteúdo das revelações demoníacas, o Prof. Siegmund atesta no epílogo: «Relativamente à pessoa, estou convencido de que não se trata, nem de uma histérica, nem de uma psicopata ou de uma doente psíquica, o que aliás já foi também confirmado por médicos especialistas. Os seus fenômenos de possessão, como eu próprio pude observar, dão a impressão de se tratar de possessão autêntica. Ela e também a sua família sofrem, pois que a autoridade competente, impede uma verdadeira assistência espiritual, por receios, aliás, compreensíveis, numa época em que reina a negação do espiritual.»
No seu testemunho, o Prof. Siegmund refere-se ao número sempre crescente de pessoas, mesmo nas escolas superiores de Teologia, que negam a existência de satanás e dos Anjos. Á esta atitude segue-se a destronização do Altíssimo.
Buonaventur Meyer



A VIDA POSSESSA


Embora a senhora em causa, devido ao seu estado de saúde e à grande distância e isolamento da sua aldeia natal só tivesse freqüentado a escola primária, possui inteligência acima da média, compreensão rápida e boa memória. Da sua biografia, que ela própria escreveu à máquina, extraímos as seguintes passagens (por motivos compreensíveis omitimos nomes e lugares e, por questões de espaço, abreviamos as descrições).
« Os meus pais viviam numa pequena quinta. O lugar é muito isolado. Nasci na Suíça alemã, em 1937, no Domingo do Santo Escapulário, dia em que a admissão das crianças na Congregação do Escapulário era solenemente festejada. Fui batizada na terça-feira seguinte. Diz a minha mãe que eu, em bebê, chorava imenso e dormia excepcionalmente pouco. Pensavam, no entanto, que isso era devido a problemas intestinais, mas nunca foi possível fundamentar essas conjecturas dum modo satisfatório.
Na primavera de 1944, comecei a freqüentar a escola. Era uma criança tímida e muito calma. Aprendia com facilidade. A leitura, a escrita e as contas, não apresentavam qualquer dificuldade para mim.
O meu lugar preferido era à beira do ribeiro, na erva e junto das flores. Muitas vezes juntava-me com outras crianças e gostávamos de agitar as pernas dentro da água. As nossas conversas eram iguais às de qualquer criança desta idade. Também falávamos, às vezes, de assuntos de caráter religioso, do Céu, do inferno, do Purgatório.
Fiz a primeira Comunhão em 1946. Levei esse ato muito a sério e preparei-me o melhor que pude. Dum modo geral, posso dizer que o tempo escolar passou sem incidentes dignos de nota. Desde muito nova acompanhava os meus pais ao campo, onde procurava ser útil. Os meus irmãozinhos exigiam muito tempo e trabalho.
Depois da minha primeira Comunhão passei a ir quase diariamente à Missa e à Sagrada Comunhão. Tinha, então, a sensação, quando lia o meu Missal negligentemente ou rezava menos, de que as graças eram menos abundantes. Aos treze anos, tive que agüentar ataques mais ou menos duros de outras crianças. Cochichavam que eu era uma “beata” e que queria ir para freira. Senti-me profundamente envergonhada, mas, referindo-se ao fato, a minha avó disse-me: «Ora, não dês ouvidos às outras crianças. Elas não sabem o que dizem. O que importa, é que Deus esteja contente contigo.
Gostava muito de ir à Igreja e, quando na Missa solene, o coro entoava cânticos, os altares estavam ornados de flores e o cheiro do incenso se espalhava, tinha a impressão de que todos se encontravam muito próximo do Céu.


A NOITE CAI


Algum tempo depois da morte da minha avó, em 1951, tive de enfrentar um período de duras provas. Apoderaram-se, bruscamente, da minha alma, angústias e escrúpulos que jamais experimentara anteriormente.
O sofrimento prolongou-se de modo inquietante. Eu já não era a mesma! É claro que os meus princípios e a minha atitude para com Deus se mantinham na mesma, mas todo o meu universo mental se pôs a vacilar e eu fui tomada de uma confusão profunda. Sentia uma enorme apatia e, interiormente, uma total falta de interesse. A doença e os sofrimentos atingiram uma intensidade tal, que às vezes me sentia despedaçada. Os pensamentos iam e vinham.
Fosse qual fosse o assunto das minhas reflexões, jamais encontrava uma luz. E o pior é que não conseguia libertar-me desses pensamentos. Era como se tudo estivesse gasto e apagado.
Uma ocasião, eu penso que no dia de Todos os Santos, em 1952, (tinha, portanto quinze anos), no meio de grande perturbação, disse à minha mãe: “Mãe, sinto-me num estado de grande atordoamento”. Ela disse-me algumas palavras de confiança e acrescentou que tudo havia de voltar ao normal.
Só era preciso que eu o quisesse verdadeiramente e procurasse a alegria perdida. Mas aí é que estava a dificuldade: não consegui encontrá-la, embora a tivesse procurado com todas as minhas forças. E, quanto à vontade, o que não teria feito e dado, para readquirir a minha antiga liberdade! Mas isso não estava nas minhas mãos. As minhas angústias aumentavam e eu já nem sequer conseguia dormir sozinha no meu quarto. O meu pai mudou de quarto e, assim, pude ir para junto da minha mãe. Embora ela estivesse junto de mim, o medo e a angústia estrangulavam-me a garganta.
As pancadas do meu coração ressoavam até o pescoço. Sentia-me assaltada de um terror imenso que me impedia até de falar. A angústia e o terror penetravam-me a tal ponto que uma hora parecia-me quase uma eternidade! Independentemente disto, tinha a consciência de que Deus queria que eu aceitasse estes sofrimentos pela salvação das almas. Esforcei-me por aceitar tudo. Nesta noite, também aconteceu algo de extraordinário, que me impelia a aceitar este sofrimento. (Quando digo aceitar, gostaria quase de acentuar que isto aconteceu na noite em que dei o sim).


ACEITAR A VONTADE DE DEUS


Era o começo da insônia total e, o mais simples era aceitar a vontade de Deus. Mais tarde compreendi que me envolvia e revolvia nesta cruel obscuridade, sem encontrar uma saída. Este tormento era o meu quinhão, dia e noite, e ninguém podia ajudar-me. A minha madrinha acompanhou-me ao médico, que ficava muito distante. Ele disse que eu tinha apanhado uma inflamação nos rins e na bexiga, e que isso atacara o sistema nervoso. Receitou-me medicamentos, mas continuei a piorar e algum tempo depois, o médico mandou-me para o hospital.
Deste modo, esta pobre criança foi submetida, desde os catorze anos, ao mais duro dos martírios. Passou os anos seguintes ajudando nos trabalhos domésticos, sendo essa atividade apenas interrompida pelos tratamentos médicos e por curtas estadias no hospital. Como se esses sofrimentos não bastassem, teve que mandar arrancar os dentes porque um médico pensou que eles eram a causa dos seus sofrimentos. Isto, porém, não levou a nenhuma mudança no seu estado; foi apenas, para a pobre, um sofrimento suplementar.
A Divina Providência deu-lhe então um homem sem fortuna, mas honesto. Casou com ele em 1962, embora a princípio a família a tivesse dissuadido de o fazer. Esta mulher e mãe, na casa dos quarenta anos, deu à luz quatro encantadoras crianças. Durante a gravidez e os partos não experimentou quaisquer melhoras nos seus inexplicáveis sofrimentos. Pelo contrário. Mais enfraquecida que nunca, ela foi levada para clínicas e casas de repouso, mas por fim os especialistas de uma clínica de grande nomeada, mandaram-na para casa, como uma pessoa mentalmente sã, mas considerando-a um caso inexplicável.
Injeções, eletrochoques e outros tratamentos, ocasionaram-lhe maiores e insuportáveis sofrimentos, interrompidos apenas por fugidios raios de luz. Por volta de 1972, (então com 35 anos), registrou ligeiras melhoras. Ela escreveu a este propósito:
« Descobriu-se, por acaso, que sofria duma falta total de fósforo. Tomei umas cápsulas e, de fato registraram-se melhoras, no meu estado geral. Até que ponto era fósforo, até que ponto era a vontade de Deus que me dava finalmente alívio? Não sei! Consegui dormir, se é que se pode chamar dormir a um mero passar pelo sono ou, quando tudo ia pelo melhor, dormitar. Os estados de angústia eram cada vez mais raros, sentia de novo vontade de rir e podia já fazer normalmente os meus trabalhos caseiros. O meu marido andava radiante, mas não havia ninguém que se sentisse mais aliviado do que eu. Podia ter novamente dois filhos comigo, o que me dava uma enorme alegria. Louvei e glorifiquei o Senhor por ter sido finalmente liberta, mas nem por isso deixei de compreender que o sofrimento, por maior e mais esmagador que seja, pode ser sempre uma graça. Por isso, pensava muitas vezes que Ele sabia a razão de me ter conduzido através desta noite.

EXORCISMOS E REVELAÇÕES

Em 1974, sobreveio uma grave recaída. « A minha irmã levou-me à casa de um bom homem que já tinha prestado ajuda à muitas pessoas. Na sua presença, senti bruscamente uma sacudidela no braço, sem que eu o tivesse movimentado. O homem disse de repente: ‘Penso que a senhora está possessa.’ Em seguida, fui ter com um Sacerdote, que se mostrou muito séptico, mas que apesar disso, fez um exorcismo. Então, ele declarou-me que todos os sinais indicavam que se tratava de possessão. »
Finalmente, depois de difíceis exorcismos e de muitas orações, um exorcista experimentado conseguiu romper a barreira. Depois de vários exorcismos, os demônios e as almas condenadas, com certos intervalos, foram-se revelando. Conseguiu-se mesmo uma libertação temporária, mas todos os demônios voltaram. Pediu-se a um Bispo para dar autorização a um exorcismo oficial e para tomar a responsabilidade.
No dia 8 de Dezembro de 1975, cinco exorcistas obtiveram autorização para o Grande Exorcismo. Seguiram-se outros, de caráter mais limitado, em que estiveram presentes no máximo, três Padres. As revelações feitas no decurso destes exorcismos pelos demônios, sob as ordens da Santíssima Virgem, são as que se encontram na presente obra.

SITUAÇÃO PRESENTE

Os pais confirmaram, em algumas frases escassas e sucintas, certas datas da vida da sua filha. Tanto eles como ela ignoram até 1974 a origem dos seus indizíveis sofrimentos. Tudo tentaram, quer através da Medicina, quer da Psiquiatria, para que a filha pudesse ter alívio e curar-se. Tudo em vão. Restou-lhes unicamente o caminho da oração.
O que mais impressiona na casa paterna é a simplicidade e o horror a qualquer idéia de maravilhoso e espetacular. A origem dos sofrimentos da filha é para eles inexplicável e se entregam confiantemente à oração, numa submissão total à vontade de Deus. Os numerosos documentos, como cartas, registros gravados e fotografias tiradas durante os exorcismos, estão à disposição da Igreja, para uma investigação canônica.
A Divina Providência nem sequer permitia que os seus amigos ou vizinhos se interessassem pelo que estava a passar. A sua possessão só se manifesta na sua vida interior e, embora seja cruelmente atormentada durante noites inteiras, pode durante o dia desempenhar as suas tarefas domésticas.
Desde 1975 que não freqüenta a Igreja é horrivelmente assediada pelos demônios, em diversas partes da Santa Missa, à benção ou quando se encontra em contacto com relíquias ou objetos benzidos. Sempre que possível, é semanalmente visitada por um Sacerdote que lhe ministra os Sacramentos.

OS PLANOS DE DEUS

Os sofrimentos expiatórios que esta mulher aceita com tanta generosidade, a miséria interior que suporta e o total abandono em que vive, particularmente nos dias que se seguem aos exorcismos, em união com os sofrimentos de Cristo, com a sua agonia e abandono, decerto muito contribuirão para a salvação das almas. A grande preocupação desta alma reparadora é a de não entravar, por sua culpa, as revelações feitas ao nosso tempo, pelos demônios, sob as ordens da Rainha do Céu e da Terra, e não permitir assim que, por negligência e descuido, muitas almas, que poderiam salvar-se, sejam condenadas para sempre.
Pedimos a todos os leitores destas linhas uma oração muito especial por intenção desta alma tão sacrificada.


TESTEMUNHOS

TESTEMUNHO DO REV.º PADRE RENZ *

Devido ao empenhamento de um irmão espiritual da companhia de Jesus, o Padre Rodewyk SJ, acedi a um convite para me deslocar à Suíça onde, juntamente com outros Padres, fiz cinco exorcismos, seguindo o método de S.S. Leão XIII, de 10 de Junho à 13 de Julho de 1997, à possessa.
De acordo com a minha experiência nestes assuntos estou convencido de que, no presente caso, se trata de possessão e que as revelações feitas pelos demônios resultam do comando e da coação evidente de um poder superior. Isso não impede que os demônios resistam continuamente à essa imposição. O calvário extremamente doloroso da possessa, desde há vinte e quatro anos, a sua aceitação dos sofrimentos enviados por Deus, as muitas orações de um grande número de pessoas e o conteúdo das revelações feitas, são garantias de que elas são queridas por Deus e por Maria, Mãe da Igreja.
Naturalmente que todas as comunicações sobre a verdadeira doutrina da Igreja e a sua situação atual, têm que ser examinadas. A oposição levantada contra as revelações presentes denuncia a vontade destruidora dos demônios. O conteúdo do livro tem como objetivo uma sólida renovação da Igreja. Aliás, não é a primeira vez que Deus e a Santíssima Virgem se manifestam à Igreja através dos demônios, como o prova a conhecida obra Sermões do demônio, de Niklaus Wolf von Rippertschwand (13 de Junho de 1977).

* O Padre Arnold Renz, SDS, nasceu em 1911 e foi ordenado Sacerdote em Passau, em 1938, como membro da Ordem dos Salvatorianos. De 1938 até 1953 trabalhou como missionário em Fuklen (China). De 1954 a 1963 foi pároco e director espiritual de várias paróquias e institutos religiosos. A partir de 1965 a até 1976 foi pároco em Rueck-Schippach St. Pius (em Spessart, Diocese de Wurzburg). O Bispo Stangl, de Wurzburg, encarregou-o do caso de possessão de Anneliese Michel, em Klingenberg. Em seguida, voltou para a paróquia.

TESTEMUNHO DE DENKINGER, JOVEM TEÓLOGO

Testemunho de um jovem teólogo, que analisou directamente o texto do livro, antes da impressão definitiva.
« Depois duma leitura crítica da presente obra, depois de ouvir algumas das gravações, depois de uma visita à mulher em questão, só me resta declarar o seguinte: - Estou absolutamente convencido da autenticidade Divina das revelações aqui publicadas. Eu e a minha teologia moderna temos de nos render perante uma humildade tão grande, como a que se ressalta dos textos. »

Johannes Denknger (Teólogo diplomado, Olten)


ALGUMAS OBSERVAÇÕES
E ESCLARECIMENTOS

Os demônios são forçados pelo Céu a falar, contra vontade, sobre a Igreja e a sua situação actual, de tal modo que as suas declarações contrariam o seu reino e favorecem o Reino de Cristo. No seu ódio, os espíritos infernais evitam, na maior parte das vezes, pronunciar o nome de Maria, da Bem-Aventurada, da Virgem ou de Mãe de Deus. Referem-se à Virgem Santíssima como : «Ela lá em cima.» Também não dizem: «Maria assim o quer», mas, «Ela quere-o», «Ela força-nos», «Ela manda dizer.» Do mesmo modo rodeiam, de diversas maneiras, o nome de Jesus e da Santíssima Trindade. Muitas vezes sublinham as suas palavras com um gesto do dedo da possessa, apontando para cima ou para baixo.
Quando os demônios exigem orações, por exemplo, quando dizem que é necessário recitar uma oração, ou orações, antes de falarem, é claro que este pedido não resulta de um desejo do inferno, mas do Céu, que o exprime por intermédio dos demônios. Durante as revelações feitas por sua boca, a possessa foi violentamente atormentada por dificuldade em respirar, convulsões, perturbações cardíacas e crises de sufocação. Daí o carácter muitas vezes irregular das frases. Como estes exorcismos contrariavam o inferno, os demônios recusaram-se muitas vezes em continuar a falar. Além disso, punham objeções diversas, rosnavam, gritavam, troçavam e cinqüenta por cento destes apartes foram omitido por questões de brevidade e simplificação, mas, no conjunto, a luta foi muito mais dura e prolongada do que o leitor poderá imaginar. É preciso ter isto bem presente para não cometer o erro de pensar que estas graves revelações foram obtidas facilmente.


ÁTRIO

OS EXORCISTAS

Os Sacerdotes, cujos nomes se seguem, declaram que, baseando-se no seu conhecimento pessoal do caso de possessão, estão absolutamente convencidos da autenticidade das revelações feitas pelos demônios, sob a ordem da Santíssima Virgem.
Padre Albert d’Arx, Niederbuchsiten
Padre Arnold Egli, Ramiswil
Padre Ernest Fischer, Missionário, Gossau
Padre Pius Gervasi, OSB, Disentis
Padre Karl Holdener, retirado, Ried
Padre Gregor Meyer, Trimbach
Padre Robert Rindere CPPS, Aww
Padre Louis Veillard, retirado, Cesneux-Péquignot
Os Sacerdotes são todos de nacionalidade Suíça, exceto o Padre Fischer, que é alemão. Todos participaram nos exorcismos, salvo o Padre Gregor Meyer, que durante algum tempo foi o diretor espiritual da senhora atacada e que a conhece, muito bem. Dois outros Padres, de nacionalidade francesa, participaram também nos exorcismos.

NOTE BEM: Apesar do testemunho dos Sacerdotes envolvidos e de outros peritos, desejamos declarar, de acordo com o decreto do Papa Urbano VIII, que a este documento só se pode dar uma fé humana. Submetemos a totalidade do texto ao juízo supremo da Santa Igreja.

Mas nós acrescentamos: Eles deveriam ser muito idiotas ou masoquistas a ponto de envolverem seus nomes em uma revelação tão terrível, mal sabendo que seriam tão perseguidos como de fato o foram e continuam sendo ainda hoje. Nos dois artigos finais desta série, passaremos alguns comentários e uma entrevista na íntegra com o Padre Amorth, talvez o mais célebre exorcista em atividade. Esta entrevista não consta do livro, mas tem relação íntima com ele.

Assim, temos a base das revelações que virão a seguir. Estas coisas são importantes, para que o leitor se familiarize com o tema, e não tenha medo de seguir adiante. Tudo foi feito pela nossa Igreja Católica, dentro das regras da Igreja Católica, de modos que não há o que temer. Sempre digo a mesma coisa para a questão do medo: Quem tem a alma limpa, quem tem a consciência absolutamente tranqüila, não teme, pois Deus está com Ele.

Esperamos que todos possam aprender, nos detalhes das revelações, tanto quanto eu. Para mim, foi uma verdadeira escola de vida. Sobre este livro eu chorei, e destas revelações do além, adquiri ainda uma força maior para seguir avante na minha missão. Até o último trabalho desta série, o leitor terá lido 95 páginas de muitas revelações.

Que a Santíssima Trindade nos ajude neste trabalho.

Nas mãos de Jesus e Maria.

Aarão!


www.recados.aarao.nom.br

Um comentário:

fernanda pozzuto disse...

Caro Wanderçey,estava achando até interessante seus textos,porém ao me deparar com o texto abaixo-QUE OS EVANGÉLICOS ESTÃO FORA DO EXORCISMO,PAREI DE LER,E TAMBÉM DEPOIS DE VC CITAR A VRIGEM MARIA...
SE TÁ LOUCO?
SATANÁS ESTÁ COMA VENDA NOS SEUS OLHOS,LEIA A BIBILIA ISSO MESMO PODE SER A CATÓLICA,VC VAI VER DO QUE EU ESTOU FALANDO ADORAÇÃO Á IMAGENS-IDOLATRIA,TIVE UMA EXPERINECIA EM MINHA CASA E NUM PRECISEI CHAMAR PADRE NENHUM...

ENTREGA SUA VIDA Á CRISTO,ENQUANTO É TEMPO..